Prólogo: Ela...


  Era uma vez um futuro indeciso. Um futuro que estava a ser definido por um dilema. E esse futuro dependia apenas de uma pessoa. Mas vamos falar um pouco dela...
  
  Indecisa ela, e muito. Pensa demais e nunca chega a uma conclusão certa. Esta sempre em cima do muro e quando resolve pender pra um lado tudo sai errado. Então concluímos que esse futuro dela não vai chegar tão cedo.
  
  Mas a história é essa, e começou de uma forma tão inesperada. Foram tudo por palavras de coragem ouvidas por ela e que adentraram seu coração. Mas ela sabe que lá no fundo tudo tinha um propósito.

  
  E ela? Essa pessoa? Ah, é uma futura mulher, menina ainda mesmo com a maior idade. Jeito de bebê, rostinho de criança e atitudes triplas. Bipolaridade alta demais pra imaginar que seja feliz. Mas ela tem um coração grande e um amor maior ainda, isso é verdade e é bom e ruim, pois pode ser isso que esteja deixando-a num dilema pro seu futuro, mas isso é um passo de cada vez. Enquanto isso, ela sorri pra quem a deixa feliz e se cala pra quem a deixa triste.

Espelho da alma...



Um tempo onde em vago conselho
Presente no vazio do passado
Em sombra refletida no espelho,
Entrega-se ao futuro nublado.

Um sonho incerto jamais visto,
Reflexo de uma alma partida
Dos desejos ao pensamento misto
Em coma na mente já esquecida.

Através de uma palavra dita,
Levou à morte tudo obtido,
Como em uma triste dor sofrida
De delírios por tempo vivido.


   

    Autor: Diogo Pereira

O erro...



  - Talvez você não vá entender, eles não vão entender, talvez não se arranje ninguém que entenda.

  Ela sempre foi uma menina complicada, difícil, bruta e meiga e ainda errada. Toda errada.  Mais errada que um nó dado por uma criança.

  Mas esses erros no fundo são dela, é como ela é.
Ah, ela é um erro!
Sim é, mas é o erro que alguém se apaixona e quer tomar pra si e não largar mais.

  Mas talvez isso tudo tenha um motivo. Um motivo dela. O motivo. Mas ninguém nunca soube, não sabe e nunca saberá, pois ninguém nunca a entendeu, não entende e nunca a entenderá.

  Ela é tão fácil sabe, só faltava vir com um manual. A menina simples, a que qualquer pessoa queria. Mas...
É esse lado quase ninguém conhece e quem conhece quer ela pra si...

  Vida injusta não é? Vida sem vida. Sem um sentido só.
Mas ela é assim. Há coisas, há erros que pra ela não são erros são um motivo a mais de ser feliz.

  É como largar tudo de mão ou ter as duas coisas ou simplesmente deixar rolar sem pensar demais, só ser feliz. Só viver os dias como se fossem os últimos.
Talvez seja isso ou não.

  Mas é ela. O erro! A errada! A maluca! A menina! A única....


  A única que um dia vai embora e todas esses erros vão acabar e assim, talvez a felicidade de todos volte.