Quem eu sou...?


  "Às vezes penso: “Quem ou o quê eu sou?”.Será que sou apenas como uma nuvem que passa por muitos lugares sem restar nenhuma recordação? Por apenas conhecer pessoas e nada restar? O que devo fazer para que isso mude? O que faço ou deixo de fazer? O que sou ou deixou de ser? Será que dentre tantas coisas que a mim ocorreram ainda ñ encontrei meu lugar, minha “missão”? Dentre toda minha vida, algo restou? Qual será meu destino? Qual será o meu amanhã? Deus, o que tenho que fazer?No decorrer de anos em que vivemos ocorre-nos vários fatos, fatos estes em que aprendemos, erramos, deixamos de realizar, enfim, marcam cada parte de nossas vidas. Será que escondemos aquilo que somos por medo, por vergonha, por bobagens ou para que outros vejam o que, supostamente, “devemos ser”? Com brincadeiras infantis (sem o mínimo de maturidade), total falta de respeito e palavras ofensivas (ex: palavrões) por meio de outros.Hoje me arrependo de muitas coisas, mas será que elas deveriam ter realmente acontecido? Como um exemplo de experiência em minha vida? Com base em “experiências”, tento não mais errar, porem, sem que planejasse ou quisesse elas voltam a ocorrer. Como muitos dizem e eu repito: “se eu pudesse voltar ao tempo!”, bem, se isso acontecesse e eu soubesse do que iria acontecer, ao menos tentaria mudar o curso das situações decorrentes ou então pedir desculpas por tudo o que fiz ou deixei de fazer e/ou a quem merece.Às vezes sigo a exemplo de um trecho de uma música: “Penso no que faço no que fiz e no que vou fazer”, mas nem sempre há de convir. Outra frase que nunca esqueço: “palavras podem machucar mais do que um tapa, mas também podem alegrar mais do que o melhor presente que podes imaginar, basta saber qual e como usá-la”.Quem eu sou?“Quem, é só a forma que deve ter um porquê e o que eu sou é um homem de mascara. Apenas enfatizei o paradoxo de perguntar a um mascarado, quem ele é?!”Máscaras são apenas objetos em que escondemos quem realmente somos, por tanto, não tenha medo do que somos, ou suponha que somos, e sim adquira nossas amizades para que possamos tirar nossas mascaras e, enfim, revelarmos quem realmente somos a quem realmente deve saber."

Autoria: Jonatan Rotondo

 

Liberto do coração...



E foi do nada.
Eu me senti protegida.
Ele me amava ali sem ao menos perguntar o por quê de nada.
Eu sorri.
Eu estava feliz após muito tempo.
Feliz por mim e por estar o fazendo sorrir.
Nem era nada demais.
Nem era pra ser tão forte.
Era, apenas, para que ele percebesse todo o carinho que existe em mim para com ele.
Eu peguei em sua mão.
Ele sorriu...
Que sorriso lindo meu bebê tinha... Metálico e cintilante.
Perfeito do jeito dele.
Então começou...
Eu lembrei de quando começamos a nos falar..
Hum... A mais ou menos uns 4 à 5 anos atrás, não lembro..
Eu só me lembro do gosto de chamá-lo de meu baixista..
Do desejo de vê-lo sorrir...
Do seu modo de abraçar...
De como eu o perturbava e queria sempre beijá-lo.
Eu sentia tudo que não desejava sentir.
Ele era e é meu amigo.
Um anjo. Certo?
E sem perceber eu estava me derramando num coração que parecia sozinho.
Eu deixei.
Não conseguia dizer não.
Meu coração só desejava confortar o coração dele.
Meu baixista.
Meu bebê.
Nada mais era preciso.
Nada mais atrapalharia aquele pequeno momento.
Ele estava alegre; eu senti.
Agradeci...
Eu conseguia fazer alguém feliz mesmo que fosse por um pequeno momento.
E foram muitos desejos reunidos naquele momento.
Abraços demais.
Beijos demais.
Carinhos demais.
Ele quase me fez dormir com sua mão suave e macia passando pela minha pele.
Um anjinho... Meu anjinho eterno.
E eu pensei que ele fosse calar.
Pensei que ele fosse deixar pra lá e me ignorar.
Mas não, ele se mostrou amoroso. Se mostrou amigo. Se mostrou o menino que eu sempre imaginei que ele fosse.
Foram carinhos e mais carinhos...
“O que esse carinho todo quer dizer?”
Eu tive que me perguntar.
Não sabia o que sentir.
Ele eu sabia que amava.
Eu não parava de sorrir.
Ele não parava de sorrir.
Ele era o motivo de tudo naquele momento.
Sorrisos. Risadas. Olhos brilhando. Cabelo bagunçado. Coração batendo forte. Felicidade. Sonho...
Parou de ser o motivo? Não. Ele não saiu do meu coração.
Então voltei a lembrar da primeira vez que senti aquilo.
Acabou que eu deixei pra lá...
Não o abraçava mais. Não o beijava mais. Não o chamava mais de meu.
Até que por supetão tudo voltou como se alguém quisesse que fosse assim.
Agradeço e não agradeço. Sorrio e não sorrio. Fico feliz e não fico.
Ainda é embolado demais, mas é mágico.
Ele se tornou um motivo tão simples e tão complexo.
E sem ao menos perceber nada, ele está se tornando alguém que ninguém nunca viu.
Seu nome?

Gabriel...

Poucas palavras...



Porque eu vi que realmente nada mais importa nessa vida se você ama alguém de verdade.
E, eu vi isso quando abaixei a cabeça e te disse tudo aquilo.
É estranho.
Diferente.
Mágico.
É a chamada “amizade verdadeira”.
Então saiba, nada é como todos falam.
Nada é como todos demonstram.
Nada, nem sempre, é como a vida te mostra ou diz.
Por isso, eu abaixei a cabeça para não chorar.
Por isso, meu coração acelerou para que eu não ficasse fria.
Por isso, que a minha vida parou naquele momento, para que você soubesse quem e o que eu sou.
Nada é tão diferente, menina.
Nada é tão igual.
Nada, nem ao menos, tem sentido nenhum.
Como eu tinha te dito:

“Desde que eu entrei na sua vida foi para ficar. Eu disse que te amaria, de verdade, isso. Não precisei falar que jamais mentiria, que jamais te enganaria, que jamais seria falsa contigo ou que simplesmente falaria mal de você.”

O problema é que ninguém, eu acho, vai conseguir entender melhor do que eu toda essa ‘confusão’.
Menina dos olhos castanhos...
Não sei se você entende o meu termo “amizade”.
Ele é diferente, sabia?
Levo a sério demais...
Eu gosto de cuidar. De tomar conta. De fazer favores. De fazer sacrifícios. Gosto de ensinar. De dar carinho. De dar amor.

Mas, tem um problema... Ninguém, quase ninguém, vai levar isso à sério ou, simplesmente, vai retribuir do mesmo jeito.
Não me importo...

Por isso quero que você observe, entende, discuta mostre e demonstre.

Então...

“Querido Deus, te peço que sempre que eu me afastar, sempre que eu não puder mais proteger essa menina desatenta, apenas te peço que olhe por mim, proteja por mim e sinta por mim e por muitos mais.”

Porque eu sei o que é sofrer demais. Sei como é agüentar uma pressão enorme durante muito tempo. Sei como é essa indecisão e sei como é difícil a decisão.

Menina dos cabelos negros como a noite.
Não se sinta só quando você estiver quieta e calada, sem ninguém por perto. Olhe para o alto... Observe o mais alto de tudo... Eu estarei do outro lado observando-te pelo bater do meu coração.

Sabe como isso tudo se chama?
..... Amizade verdadeira .....

To: J. S.

Simples assim...




E nada foi tão forte quanto tudo de um dia atrás..
Nada foi tão mágico..
Nada chegou tão perto da perfeição.
Nada mudou tanto o meu olhar..
Como nada fez meu sorriso brilhar tanto..
E até hoje eu lembro do primeiro dia...

Das primeiras horas
Dos primeiros momentos
Do tocar que acalmava até o leão mais feroz que existir.
E nem me importo de lembrar da voz...
Aquele som grave e ao mesmo tempo agudo
Era admirável até para a pessoa mais rancorosa...
Nada tinha inundado tanto a alma e passado para o sangue e o coração.
Nada era tão repetitivo nem tão novo... Era fabuloso.
Arrepiou no primeiro momento, mas se eu me lembro até hoje, ainda arrepia.
E aquelas borboletas na barriga? Elas ainda fazem parte de mim.
A vontade incessante.
Os momentos de constrangimento.
O medo.
A vergonha enorme a cada passo dado.
Era diferente mas também era igual.
Era normal pra eles e exótico demais pra mim.
Era um pensamento para o futuro mas com um passo a trás.
Era uma decisão e uma indecisão.
Era um sim só que ao mesmo tempo um não.
Era um passo atrás e uns 5 à frente.
Era uma vida.
Uma morte.
Uma luz.
Uma treva.
Era um ódio.
Era, de verdade, um amor e nada mais.

Ele se foi...



E pela primeira vez eu dei todo o valor.
Eu dei todo o amor.


Eu fui verdadeira.
Eu amadureci.
E mudei toda uma vida construída por você...
Por nós...

Você se esvaiu.
Me enganou.
Prometeu e não cumpriu.
Sorriu enquanto mentia.
Ficou sério e bravo para me fazer chorar.

Eu obedecia.
Eu menti para os outros por ti.
Fugia para você.
Me entreguei totalmente a ti.
Você sabe.
Você sentiu.
Você viu.
Você me amou?

Sei não.
Pedir um tempo, como você disse, é a mesma coisa que um pós-término.
É ridículo.
Machuca.
E fazer a pessoa esperar não é humano.
Não é feliz.
Não é nada bom.
Não é amor...

E, como já me disseram... ...
- Não deixe esperando se você não tem a intenção de voltar.

O adeus...



Sentirei falta de tudo.
Dos motivos..
Dos sorrisos..
Dos carinhos..
Dos beijos..
Do amor.

Sentirei falta do motivo da minha felicidade.
Do motivo para eu viver.
Sentirei falta da minha força de todas as manhãs.
Do meu foco.
Da pessoa que me trazia fé para enfrentar mais um dia.

Eu dei valor para ti.
Lutei por ti.
Venci por ti.
E construímos o nós.

Eu sabia que com você eu seria a menina mais feliz.
Não traí.
Não menti.
Não continuei impulsiva nem imatura.

Eu cresci.
Amadureci.

Fiz feliz.
Fiz amar e amei com todas as minhas forças.

Eu acreditei em nós.
E nós, construímos o futuro.

Até que por uma vez não sentida.
Algo aconteceu.
E de repente me vi perdida num labirinto sem saída.
Então decidi ficar ali.
Parada.
Quieta.
Sem pedir socorro.
Sem gritar.
Fiquei te esperando.

Até que decidi falar.
Você não me escutou.
Nem ao menos perguntou o por quê.
Só seguiu sua vida enquanto eu parei a minha para te esperar.

Mas já que você quis assim.
Eu chutei tudo.
Decidi queimar, rasgar, jogar fora, esquecer..
Você decidiu sair, eu decidi respeitar sua decisão.
Então, agora...
Não venha atrás.
Mesmo que eu tenha a certeza de que meu amor por você não vai acabar.
Eu não quero mais sofrer por você.
Agora eu quero fazer sorrir que me fez sorrir.
E deixar morrer quem me faz chorar

Falta...






 E onde está agora? Meu telefone não está tocando mais. E quando toca, não é você. Eu sinto falta sabia? Digo, de nós, do que éramos, você se tornou uma droga viciante, e como todo viciado, eu nunca irei sobreviver com essa abstinência de nós. Sinto falta do seu hálito fresco fazendo cócegas no meu pescoço, sinto falta de mergulhar no mistério dos seus olhos ofuscantes. Sinto falta da tua voz, do teu cheiro, do teu jeito errado de dizer as coisas certas, sinto falta do teu caminhar, sinto falta desse sentimento de vazio que me tira do sério, sinto falta de você sussurrando no meu ouvido, sinto falta de sentir sua falta e esperar você chegar pra vir conversar comigo. Sinto falta de ir procurar você, e ir falar contigo. Sinto falta do que iríamos ser, ou sonhávamos em ser. Sinto falta do que costumávamos ser. Pode-se dizer que sinto falta até mesmo das brigas, dos gritos, das lágrimas. Sinto falta de segurar a tua mão quando sentia medo, ou frio. Mas, eu não deveria sentir nada disso. Eu que desisti, não foi? Eu que fui embora sem aviso prévio, eu que te machuquei. Eu que te fiz sofrer, te decepcionei. E quebrei todas as tuas expectativas ao não ser o que você mais esperava. Desculpe-me por isso, desculpe por não ter dito ‘adeus’. Por ter ido sem avisar. Você sabe eu odeio despedidas, odeio qualquer coisa que me faça ir embora, e eu não suportaria dizer-lhe um adeus se quer, doeria mais que o suportável. Perdoe-me. Mas, e se eu dissesse adeus, sei que olharia nos meus olhos e me pediria para ficar, e eu ficaria. E ficar, seria outro erro gigantesco. Não suporto. Não consigo e não sei como viver com essa falta de você, sem a sua presença. E não aguentava mais toda aquela dor inquietante, que você inconscientemente, provocava. E você sabe como eu sou, não sabe? Sim, eu sou egoísta. E não iria suportar te ter pela metade, não te ter por completo. Então, você sabe o quanto odeio metades, e irei te repetir isso quantas as vezes for preciso. Sou egoísta, já lhe disse. Confesso que o teu amor me fez louca, complexada, e me fez tornar-se estúpida. Me fez desistir, a empinar o nariz e dizer “foda-se”. E eu, pensava que você precisava de mim, assim como eu precisava de você. Pensava que nunca iria me abandonar e nunca iria me deixar partir. Mas o amor me enganou também. O amor não me ensinou que as pessoas podem aprender a viver sem outras, substituindo-as. O amor não me ensinou a como te substituir, como preencher o vazio que você deixou. E o amor não me ensinou a viver sem você. Eu queria olhar bem fundo nos teus olhos e te perguntar se o que eu fiz, foi certo, e queria que me respondesse que tudo irá ficar bem. Mas a verdade é que nada vai ficar bem. Eu não posso mudar o passado, muito menos o futuro. Mas não consigo evitar, o passado me assombra. Porque me faz lembrar você, me faz lembrar nós. Eu acreditava que poderia viver sem você, sem nós. Agora percebo que, talvez, eu nunca te supere por inteiro. Mas creio que não existe o tal para sempre que tantos falam, certo? Ou talvez eu só queira me convencer de que não existe. É tudo tão confuso, tão embaralhado. Meus sentimentos estão perdidos, e no meio dessa confusão toda, o meu coração chora. Ele grita por você, pelo seu toque, pelos seus beijos. Mas eu não vou voltar atrás, não vou regredir e dizer que sinto tua falta, porque você riria de mim, riria das minhas atitudes tolas, e riria por ainda amar você. Mas eu só vou seguir em frente, como eu sempre fiz, sorrindo, brincando, vivendo, ignorando essa dor e tentando te esquecer, e tentando passar despercebida por essa falta que você me faz. Sei que outras lhe faria mais feliz, mais completo, mas você é o único que me faz sentir assim. O teu toque é o único que conheço, o teu beijo é o único que vale a pena. Lábios doces que sempre tiveram aquele gosto de menta, hoje já não me tocam mais. Eu fico insistindo pra te ter aqui, porque no fundo eu desejo que o seu lugar sempre seja ao lado do meu. E quando eu te vejo partindo, se afastando de mim, minha vontade é gritar ‘volta aqui, seu lugar é comigo’. Mas temo de gritar isso, e você continuar andando, como se eu fosse apenas uma velha lembrança que insiste em ficar no teu ouvido. Ficar com você é algo terrivelmente complicado, brigas e discussões são tão constantes, que as vezes ficávamos calados só para não destruir o momento. Você é um erro, sim. Um erro que eu cometeria todas as vezes que aparecesse em minha frente. Porque eu sempre lhe confessei o quanto sou atraída por frustrações. Somos a maior frustração da minha vida. Daríamos certo um dia, mas não hoje. Eu grito por você, mas você só sussurra que é melhor assim. Eu não sei o quanto consigo suportar sem ti. O meu limite está perto. Sei que as lágrimas já não caem tanto, mas a dor aumenta a cada dia.  Eu sinto muito por ser assim. Cada célula do meu corpo te queria também. Mas parece que para você é mais fácil ignorar a dor que causa em mim, do que entender o quanto necessito da tua presença. Ainda preciso do seu sorriso. Ainda desejo o seu beijo. E infelizmente não sei o que fazer para que tudo isso passe. Apesar de achar que nunca vai passar.

(Via Tumblr)